29.4.11

Minha mãe




Aconchegando
Minha cabeça no teu leito
Onde fincava os olhitos
 Na tés branca diante de mim
Concentrava um pouco
Percorria cada linha  
Cada relance de proezas
Do teu carinho do teu amor
Tu minha mãe 
Que choras- te e sorris- te comigo
Num tempo
Tempo esse em que tuas palavras
Me deixavam te abraçar




12 comentários:

  1. Uma ternura cara Anita maravilhoso
    Qual mãe ,que não gostaria de ter tal dedicatoria ,mãe preciosa que deu á luz 13 filhos embalando os no seu eterno leito
    Agora Anita embala tua MÃE com carinho

    Coriosamente encontrei este blog pesquisando um trabalho,não poderia de forma alguma deixar de comentar, uma ternura


    O coração das mães é um abismo no fundo do qual se encontra sempre um perdão.
    Honoré de Balzac

    D.Patricia Alvez
    Santarém

    ResponderEliminar
  2. Ai as nossas mães que nós amamos tanto, mas por vezes esquecemos de visitar de lhe telefonar de lhe dar uma palavrinha carinhosa (falo por mim, claro).
    Um maravilhoso poema que a Anita dedicou à sua mãe e que me fez lembrar o quanto ingrato eu sou em relação à minha.

    ResponderEliminar
  3. Amor de mãe é único...
    Belíssimo poema, querida amiga.
    Gostei imenso.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Olá Anita

    Sempre me comoveram as homenagens às mães, às nossas mães, que nos acarinharam enquanto nos criavam à sua maneira a maneira que já tinham herdado das suas mães.
    Assim não pude deixar de sentir uma ponta de comoção ao ler este maravilhoso poema e dizer que é um enorme prazer ver que a continuidade se vai mantendo apesar dos tempo de mudança tentarem apagar este apego que sentimos aos nossos ancestrais e transmitimos aos nossos descendentes.
    Gostei imenso.
    Beijinho

    Chris Morris

    ResponderEliminar
  5. Muita ternura laço maternal Anita

    "Perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido.
    E ela respondeu:
    "Nada é mais volúvel que um coração de mãe".
    O filho predilecto, aquele a quem me dedico de corpo e alma
    é o meu filho doente até que sare
    O que partiu, até que volte
    O que está cansado, até que descanse
    O que está com fome, até que se alimente
    O que está com sede, até que beba
    O que está estudando, até que aprenda
    O que está nu, até que se vista
    O que não trabalha até que se empregue
    O que namora, até que se case
    O que casa até que conviva
    O que é pai, até que crie os filhos
    O que prometeu, até que cumpra
    O que chore, até que cale
    O que me deixou, até que o reencontre.

    BJS. Paula

    ResponderEliminar
  6. Existe uma pequena distância entre as palavras e os teus sentidos.

    É um prazer ler o que escreves.

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Mãe é a expressão singular do verbo amar.
    Maravilhoso meu doce anjinho.
    Hoje meu beijo doce e terno é para aquela que te trouxe ao mundo, para ser essa luz tão suave e terna a nos acalentar, nesse mundo tão vazio do verbo amar. Falamos tanto e amamos pouco.
    Amo-te Anita. Beijo doce e terno.

    ResponderEliminar
  8. Lindo...porque mãe é alguém único ...alguém que nos merece o nosso melhor....
    Um beijo

    ResponderEliminar
  9. As palavras do teu poema que dedicas à tua mãe refletem-se no coração dos teus filhos para derramar no teu todo o amor que tu mereces...
    Feliz dia da mãe Anita!

    ResponderEliminar
  10. Olá amiga Anita!
    Obrigada pela visita ao meu cantinho!
    Adoro ler-te minha querida...E esta Ave Maria me emociona...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Momentos ternos que guardamos eternamente... O aconchego do colo, do sorriso, do olhar ... como se lêssemos os sentimentos que brotam do coração de mãe,numa serenidade indescrítivel (mesmo nos momentos mais difíceis)...

    Simplesmente doce e tão belo!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Lindo de mais, para quem já não a tem!

    Pita Pereira

    ResponderEliminar